Bora Bora – A pérola do Pacífico

Acordamos ansiosos sabendo que em poucos minutos chegaríamos ao sonho de tantos e infelizmente ao alcance de tão poucos, Bora Bora – A Pérola do Pacífico.

Pousando no Pacífico

Dessa vez fomos de voo pela Air Tahiti, cerca de 40 minutos partindo de Moorea. O aeroporto pequeno parece uma rodoviária, cheia de turistas deslumbrados e locais com seus típicos e floridos trajes. Deixando cada ilha, somos presenteados com colares de pequenas conchas significando que fomos bem vindos e para voltarmos em breve.

É um pouco estranho, estamos acostumados à organização e as brasileiríssimas filas,  mas ao chegar o avião, formou-se um conglomerado de pessoas e salve-se quem puder! Um passando na frente do outro, não havia assentos marcados, cada um por si e Deus por todos. Uma boa dica é sentar-se ao lado esquerdo do avião.

A pista é curta, mas também são pequenas aeronaves, a sensação é que você está pousando direto naquele azul turquesa que a gente ainda não tinha visto de perto! É a coisa mais linda! Sair dali, somente de pela água, então o receptivo de cada hotel vem te buscar, o nosso veio de lancha, já buscou nossa bagagem direto na “esteira” e acomodou no barco, enquanto embasbacados, nós e outros casais tirávamos fotos e admirávamos aquela beleza e só estava começando.

Aeroporto mais lindo do mundo

Ficamos hospedados no LeMeridien em bangalô sobre as águas. No hotel nosso “guia” era espanhol, e como não poderia ser diferente, estava de chinelos, camisa e pareô, Nos levou para um “tour” pelas áreas comuns do resort (enquanto nossa bagagem já ia para o quarto), e só depois de nos apresentar tudo, explicar maravilhas e curiosidades sobre Bora Bora e o LeMeriden, fomos para o deck onde faríamos o check-in, não sem antes nos darem um drink e toalhas perfumadas para nos refrescarmos da maresia.

 Após assinarmos a documentação (ali você assina qualquer coisa!), de carrinho de golfe formos encaminhados a nosso bangalô, o 311. Como estávamos em lua de mel, nosso quarto estava decorado e perfumado com flores, e um balde gelado de champagne (champagne mesmo!) nos aguardava. Ali a gente começou a sentir um certo dilema: aproveitar aquela maravilhosa suite ou curtir as belezas do resort? Tanto que infelizmente não tivemos coragem de sair do LeMeridien pra conhecer a ilha, deixamos para uma próxima. Aquele hotel não contrasta com a beleza local, ao contrário, é integrado a ela, não tenta competir.

Um brinde no paraíso

O detalhe do chão de vidro é realmente impressionante, 1/3 do quarto de 62 m2 é assim, e à noite a leve correnteza desenha formas pelo quarto como um caleidoscópio luminoso. A banheira, protegida por uma persiana de madeira, é estrategicamente colocada de forma que mesmo tomando banho não se perca nenhum momento daquela paisagem maravilhosa!

Bangalô sobre as águas

À nossa frente nessa foto, existe uma porta de vidro que dá acesso ao terraço do bangalô, de onde através de uma escada, pode-se mergulhar naquelas águas mornas e cristalinas de Bora Bora, nadar junto a peixes, entrar sob esse chão de vidro e olhar a vida por uma outra perspectiva, literalmente.

Praia Particular

Após uma sessão de fotos completa regadas a champagne, colocamos nossos trajes de banho e fomos à praia do hotel. Durante todo o momento encontramos os funcionários do hotel, floridamente trajados e nos saudando alegres com “Iaorana”, o cumprimento típico polinésio equivalente ao nosso “oi”.

Aproveitamos o dia divididos entre essa praia maravilhosa de areia tão fina e clara que parece farinha, nadando na piscina natural entre peixes e tartarugas, tirando fotos, trocando beijos e abraços, felizes por estarmos ali.

Praia de areia branca e fina

Voltamos ao deck do snack bar e descobrimos que dali é que se tiram as fotos oficiais de Bora Bora, com o Monte Otemanu ao longo de seus 727m de altitude, circundado por uma lagoa turquesa de tirar o fôlego. Tiramos nossas fotos também.

Beijo apaixonado Bora Bora

A noite, jantávamos a maravilhosa culinária francesa com toque polinésio do Tipane Restaurant e pela manhã comíamos deliciosos croissants macios e tenros. Nosso quarto era arrumado e diariamente sob nossos travesseiros colocavam saches de aromas típicos polinésios, para perfumar nossos sonhos, e passávamos os dias naquelas paisagens maravilhosas, nadando, descansando, namorando, fotografando, passeando, jogando badmington, mergulhando, andando de caiaque, enfim, aproveitando tudo de bom que o hotel oferece.

Saltando de Alegria

Assim foram nossos dias em Bora Bora, felizes, azuis, cheirosos, como toda lua de mel merece ser, na verdade nosso casamento ainda estava por vir, e seria nesse cenário de filme, apesar de sabermos o que iria acontecer, não imaginávamos como, e nos surpreendeu, como tudo nessa ilha paradisíaca.

Assistam agora ao clipping de nossa viagem (cenário que também serviu de inspiração para o filme Moana)

 

Publicado por Estela Maria em 10 de abril de 2011 às 23:13