Foz do Iguaçu – Um Destino para Todas as Idades

Dia 08 de outubro embarcamos em mais uma viagem em família, para um destino seminacional.
E mesmo para nós, viajantes experientes, essa viagem foi um grande desafio pois além de nós dois, parceiros há 10 anos, agora temos Arthur, que ao longo de seus quase 3 anos, já tem suas necessidades e gostos. Levamos também a mãe do Elliot com seus 50 e poucos anos e a vó do Elliot com seus quase 80.
Foz do Iguaçu

Cataratas Lado Brasileiro

 

Foi lindo e prazeroso poder proporcionar a elas duas, a exemplo do que fizemos em outubro do ano passado com minha mãe e irmã (cada um pagando suas despesas, mas emprestamos a coragem daqueles que já se sentem a vontade com malas prontas). Voo pela Gol, hospedagem pela Decolar.com , e aluguel de veículo pela Hertz previamente contratados antes da viagem.
Um voo rápido, e por conta da diversidade de nosso grupo, decidimos sair do aeroporto de Foz com um carro alugado, nunca fizemos isso. Foz e aquela região de fronteira que percorremos, são extremamente fáceis de percorrer, com vias bem sinalizadas.
Nossa hospedagem foi no Foz Plaza, que estava claramente em reforma, portanto não posso ser injusta em fazer um julgamento. Fica bem localizado, relativamente próximo ao terminal rodoviário. Chegamos a noite, nos instalamos e fomos jantar.
A sexta feira amanheceu chuvosa e assim ficou por toda nossa estadia. Acordar e perceber o quanto o tempo havia mudado (chegamos sob forte calor) nos fez respirar fundo. Mas mantivemos nossa programação, afinal, não sabíamos como ficariam os dias seguintes, e ficar confinados no hotel estava fora de cogitação. Vestimos nossas capas e fomos contemplar uma das 7 maravilhas do mundo.
Foz do Iguaçu

Cataratas Lado Argentino

Era véspera de feriado, mas sexta feira pela manhã estava bem vazio, geralmente existem filas quilométricas e o passeio se torna bastante demorado.

Estacionamos o carro com facilidade e compramos nossos ingressos para ingressar no Parque das Cataratas. 
Um ônibus percorre um caminho arborizado e limpo rumo ao parque propriamente dito, que percorrem o lado brasileiro das cataratas. Mesmo a chuva não estragou a força e a beleza daquele lugar. Caminhávamos admirados respirando ar puro, ouvindo a força das quedas, molhados com a chuva (rs) – uma experiência que envolveu 4 dos 5 sentidos. Perfeito! Arthur comentava o quanto era grande e o quanto ia rápido. Meu pequeno aventureiro queria estar no Macuco Safari, porém não foi dessa vez.
Nossa equipe aguentou bem o trajeto, mas pessoas com dificuldades de mobilidade podem utilizar o elevador para chegarem perto daquela maravilha.
Voltamos para o hotel, estávamos com frio, Arthur precisava dormir um pouco.
No sábado, ainda chuvoso, resolvemos ir ao Paraguai. Nunca é nossa prioridade sair as compras, na verdade isso acaba sendo um bônus de viagem e totalmente opcional. A locadora do veículo não autorizava a ida do carro até Ciudad del Este, portanto pegamos um ônibus coletivo (ao custo de R$ 5 por pessoa) e em cerca de 20 minutos chegamos. Um mundo de ambulantes, carros, bicicletas, motos em meio a prédios decadentes. A rua suja e fétida. Queríamos conhecer. Descemos no segundo ponto e fomos direto a Monalisa, um dos poucos lugares que dizem ser confiável para compras no Paraguai. Com o dólar nas alturas (cerca de 4 x 1) as lojas estavam vazias, muitas delas fechadas, comerciantes desanimados. Os valores na Monalisa não valeram o esforço, e os demais produtos certamente estão mais atraentes na paulista 25 de Março.
Saindo de lá, pegamos nosso carro e partimos rumo a Puerto Iguazu. Antes disso demos uma pradinha em uma lanchonete nova, a Yalla, pertencente a uma família de origem turca, comemos esfihas com tempero original e não pude deixar de provar o tradicional café árabe, que é preparado de maneira diferente, além de conter cúrcuma – Adorei! E como o dia cinzento já estava perdido com compras, decidimos parar no Duty Free. Ali os preços estavam um pouco melhores, especialmente comprando em pesos, mas mesmo assim, chegavam a assustar. O Duty Free é antes da imigração e estava sempre cheio. Finalizamos nossa noite na tradicional “Feirinha” de Puerto Iguazu, um amontoado de barracas que vendem secos e molhados com bares que servem “picadas” (petiscos) daquelas delícias pelas quais vamos passando. Empanadas e Patagônia, uma cerveja argentina.
No domingo partimos para Puerto Iguazu, rumo a La Aripuca, uma reserva ecológica que valoriza o cuidado com a natureza e a divulgação da cultura, crenças e tradições locais. Além de apreciação da natureza, não deixe de provar o delicioso sorvete de Mate e Rosas, uma combinação incomum porém deliciosa. Provar também as geleias de hibiscus ou madeira (sim!), e até mesmo o doce de leite com chocolate. Há também o alfajor de mate (vale para provar) e o delicioso alfajor de madeira!!
La Aripuca

La Aripuca

Fomos visitar o Hito 3 Fronteas (Argentina) que nos surpreendeu: Lindo espaço recém reformado, com fontes coloridas e dançantes, além de uma academia de ginástica toda envidraçada de frente aos outros marcos, pertencente a prefeitura – ou seja, gratuito!!!! Perfeito lugar para se exercitar.

Foz do Iguaçu

Hito 3 Fronteras

 

Na segunda, ainda meio nublada mas seca, decidimos visitar o lado argentino. A mãe do Elliot ficou, a vó aventureira foi. Tudo o que lemos em blogs de viajantes nos faziam acreditar que estaríamos embarcando em uma aventura em meio a trilhas fechadas de terra sem qualquer apoio como lanchonete ou banheiro.
Chegamos as 13h no parque. Estava realmente vazio, pois o que lemos é que as filas também são quilométricas. Enquanto o lado brasileiro é todo pavimentado e os turistas são levados de ônibus por estradas asfaltadas, o lado argentino é mais natureza. Após ingressar no parque, caminhamos por alamedas arborizada
s até o trem. Quem estiver disposto pode fazer o caminho a pé, mas exigirá um bom preparo físico.
O Primeiro trem leva até a Estação Cataratas. Pode iniciar sua caminhada ali mesmo. Exitem 2 percursos, o inferior com 1400m, observando as cataratas por baixo, e o superior com 650m, observando as quedas por cima. Descemos do trem mas decidimos pegar o próximo, indo direto até a Garganta do Diabo.

Foz do Iguaçu

Descemos ali e caminhamos os 1100m sobre pontes e passarelas, muito bem instaladas em meio a natureza rumo a garganta, passando por sobre o rio Iguaçu em meio a mata. Tudo muito limpo e organizado. possível de ser percorrido por pessoas com mobilidade reduzida (havia uma cadeirante no trem no qual embarcamos). Lindo!! Aves, peixes, a natureza em sua plenitude! É indescritível aquele lugar! Qualquer imagem não retrata a real beleza das Cataratas.
Retornamos ao trem rumo aos circuitos inferior e superior. Decidimos iniciar pelo inferior. Quanta beleza. Parávamos para as fotos e para admirar a paisagem, Na velocidade que a vó poderia percorrer. Paramos apenas para ir ao banheiro e decidimos não parar para lanchar, não daria tempo, também havíamos tomado um caprichado café da manhã no hotel. Finalmente percorremos o circuito superior para finalizar aquela maravilha!
Fomos os últimos a sair do parque, literalmente, os guarda parques já estavam checando as trilhas e fechando o parque. O lado argentino pode ser feito durante 1 dia inteiro, com paradas para lanche, até mesmo em 2 dias. Mas conseguimos fazê-lo mesmo assim, em 6 horas!!
 Foz do Iguaçu

Terminamos nossa noite no badalado Aqva, um dos restaurantes mais recomendados de Puerto Iguazu, e não decepcionou. A sobremesa foi na deliciosa “heladeria” Cremolatti, que fica na quadra seguinte,  na rodoviária mas serve um dos melhores sorvetes que já provei.

A terça feira, nosso último dia completo de viagem, fomos visitar a Mesquita Muçulmana – Detalhe para a Doceria Almanara em frente a mesquita, com doces árabes – imperdível!!

Fomos também ao Templo Budista, que confere um clima de paz, ficando ao alto, de onde podemos vier a ponte da amizade, além de apresentar um gramado grande.

Dalí partimos para  uma das grandes maravilhas da tecnologia moderna, a Itaipu Binacional . A usina que compartilhamos com nossos vizinhos paraguaios, foi construída com a contribuição de ambas as partes. Fizemos a Visita Panorâmica, que é uma visita guiada em um ônibus de 2 andares passando pelo empreendimento. Há o restaurante Porto Katamarã que me pareceu ser muito interessante almoçar ali no lago Itaipu. Não o fizemos por falta de programação mas quem puder se prepare para almoçar por la, os ônibus passam a cada 30 minutos.

 

Foz do Iguaçu

Fomos direto para o Marco 3 fronteiras, lado brasileiro. Felizmente entrando em reforma. Bem arborizado, representando bem nosso país, porém deixava a desejar com relação a atrações, triste ver o Espaço das Américas literalmente abandonado. No projeto se transformará em um restaurante.

Inicio de noite novamente em Puerto Iguazu e novamente na feirinha, com petiscos de queijos, salames e azeitonas, pedimos também bife de Chorizo (é como eles chamam o corte de carne, equivalente a nossa Alcatra), acompanhados de Quilmes. Fizemos umas comprinhas de alfajores e aqui quero deixar um registro especial: Havanas são bons para serem tomados com um cafézinho preto, agora La Aldea, são di-vi-nos! E por conta da menor procura, o preço também é mais vantajoso. Me arrependi de não trazer outra caixa (não o fizemos por conta de retornar a dieta) pois todos aqui no Brasil reclamaram de não poderem repetir nosso presentinho.

Considerações finais:

Sobre a tal Carta Verde – No hotel, o recepcionista e um taxista disseram que Foz do Iguaçu inteiro vai a Puerto Iguazu e dificilmente pedem a tal carta. Além disso, o taxista – na verdade um motorista particular, disse que há 20 anos vai a Puerto 3 x na semana e JAMAIS foi solicitado a tal carta – Não fizemos.

Hospedagem – Foz do Iguaçu é uma cidade muito limpa organizada e fácil de andar, porém as coisas me pareceram distantes, então para jantar, caso você não saiba onde ir, vai ficar rodando e perdendo tempo. As coisas são meio longe. Portanto de uma próxima vez, irei me hospedar em Puerto Iguazu pois é uma cidade bem pequena, dá pra caminhar a pé e concentra boas opções de restaurantes e hospedagem.

Cambio – Em vários lugares há cambio e também muitos lugares em Puerto aceitam Reais, mas em nossa viagem (isso pode variar), comprar em pesos estava bem mais vantajoso. Fizemos o cambio no Supermercado Mustafa.

Não tivemos a oportunidade de conhecer o Parque das Aves por conta do tempo instável. Também não visitamos o Museu de Cera e o Parque dos Dinossauros.

Foz do Iguaçu é uma cidade/região para ser visitada 2 vezes: Uma quando o rio está cheio e caudaloso, e outra em abril, quando está mais seco.

Se há um lado mais lindo? Em minha opinião percorrer o lado argentino é bem natural e próximo, porém as belezas vistas pelo lado brasileiro são deslumbrantes. Deu empate 😉

Assistam nosso clipe:

Publicado por Estela Maria em 21 de outubro de 2015 às 23:00